Livro: 12 Anos de Escravidão – Solomon Northup

Oi gente! Beleza?

12_ANOS_DE_ESCRAVIDAO_1391534688P

12 Anos de Escravidão – Solomon Northup

Seoman – Editora Pensamento, 2014

Sinopse: Doze anos de Escravidão narra a história real de Solomon Northup, negro americano nascido livre que, por conta de uma proposta de emprego, abandona a segurança do Norte e acaba sendo sequestrado e vendido como escravo. Durante os doze anos que se seguiram ele foi submetido a trabalhos forçados em diversas fazendas na Louisiana.

Este relato autobiográfico, publicado depois da libertação de Northup, em 1853, logo se tornou um best-seller, e hoje é reconhecido como a melhor narrativa sobre um dos períodos mais nebulosos da história dos Estados Unidos. Verdadeiro elogio à liberdade, esta obra apresenta o olhar raro de um homem que viveu na pele os horrores da escravidão.

Era fim do mês de março e Solomon andava pelas ruas de Saratoga Springs quando foi abordado por dois senhores chamados Brown e Hamilton que segundo eles, mantinham uma conexão com uma companhia circense e precisavam de um músico para acompanhar suas apresentações. Solomon tocava violino com excelência e todos sabiam disso, então aceitou a proposta e partiu com eles sentido Nova York mas mal sabia ele que não veria sua esposa Anne e seus filhos Elisabeth, Margareth e Alonzo por terríveis 12 anos.

“Aliás, se não fosse por meu adorado violino, mal posso conceber, agora, como eu teria suportado os longos anos de escravidão”

Mas Brown e Hamilton foram uns sacanas, fizeram toda uma média e até emitiram papéis que comprovavam a liberdade de Solomon em um cartório porque de Nova York seguiriam para Washington – estado escravagista na época – mas infelizmente Solomon Northup foi drogado, todos seus documentos tirados e sua liberdade chegou ao fim.

Ele acordou então, em um mocambo escravagista de Washington liderado por Burch e teve seu nome trocado para Platt. Enquanto esteve nesse estábulo humano ele já sentiu na pele como era ser escravo, como era ter ser corpo dilacerado e ter que calar sua boca para preservar o corpo, mesmo tendo sua mente livre e cheia de esperanças. 

Ao decorrer da narrativa você sentirá um misto de ódio, desprezo, dor, angústia, raiva, tristeza… e vai se questionar muito em relação à humanidade. Algumas pessoas como Tibeats, Ford e Epps te farão ficar tão enfurecido que todos os mais variados sentimentos ruins serão destinados à eles.

Um ponto interessante é que Solomon conta um pouco da história dos outros escravos que ficaram com ele, mas Eliza e Patsey com certeza te deixarão absolutamente abatido porque sério, chega a ser inacreditável algumas coisas. Patsey, por exemplo, era o objeto sexual do seu “dono” e a esposa dele tinha raiva dela e a maltratava muito, portanto, a menina NÃO TINHA O MÍNIMO DE PAZ (e aqui eu me refiro a uma paz de escravo, que no caso é não fazer nada de errado para não levar chicotadas).

A história é muito intensa e comovente, merece ser conhecida sabe, porque algumas pessoas pensam que é tudo mimimi e em 12 Anos de Escravidão temos um relato verídico de um homem que viveu o deleite da liberdade e a crueldade da escravidão.

“Nenhuma voz misericordiosa alertou-me em meus sonhos, quanto às duras provações que se acercavam”


Espero que tenham gostado! 😉

Comments

comments

15 thoughts on “Livro: 12 Anos de Escravidão – Solomon Northup

  1. Paloma,
    Eu assisti ao filme e tenho que confessar… não sei se teria estômago para o livro…
    As atrocidades pelas quais ele passa (e ainda sabermos que é uma história real) são absolutamente intoleráveis.
    Como o ser humano pode ser tão cruel?
    Beijo!

    [Reply]

    Paloma Silva Reply:

    É exatamente o que passa na cabeça, como eles podiam ter uma ideia tão errada e ser tão cegos pro mal que faziam. O livro é bem mais intenso, os diálogos bem mais assustadores…

    Beijos, Silvia! ♥

    [Reply]

  2. Que intenso!

    Não sou muito forte para assistir a esse tipo de filme/ler esse tipo de livro, apesar de saber que isso existiu e muito (e muitas vezes, ainda existe, só não na mesma intensidade, convenhamos) me sinto mal ao me deparar com algo assim :{

    Parece ser aquela leitura torturante, onde você sente vontade de entrar no livro e socar os personagens hahaha

    Beijo!

    [Reply]

    Paloma Silva Reply:

    Sim, você quer fazer com eles todo o mal que praticam… espírito justiceiro, talvez kkkk

    É bem forte mesmo e é uma pena que em alguns lugares isso ainda exista… :/

    Beijos!! ♥

    [Reply]

  3. Nossa, estava pensando na mesma coisa que a Silvia disse… Assisti ao filme (que é fantástico, por sinal), mas acho que não aguentaria o livro. Livros deixam a nossa mente ainda mais livre para imaginar e eu tenho facilidade para partilhar das dores das personagens… 🙁

    [Reply]

    Paloma Silva Reply:

    Exato, eu li o livro primeiro e assisti ao filme depois… o livro é pior porque é bem isso que você disse, a mente fica livre e você entra na história. Já com o filme a dor é escancarada com os gritos e imagens, então isso faz o livro ser realmente pior kkk

    E é uma pena que tenhamos essa mancha na nossa história :/

    Beijos, Larii! ♥

    [Reply]

    Lari Reis Reply:

    É uma pena mesmo viu… Principalmente porque temos resquícios dessa mancha sujando a sociedade até hoje 🙁

    [Reply]

  4. O filme foi tão impactante para mim que ainda não tive coragem de ler o livro! Mas ele está na minha lista!!
    Beijos!!

    [Reply]

    Paloma Silva Reply:

    Sei bem como é, o livro é bem mais. Eu mesma lia e parava às vezes porque me sentia mal, sabe.

    Mas quando estiver preparada, leia sim! 😉

    Beijoos !

    [Reply]

  5. Vi o filme recentemente, e achei tão bonito. Ler sua resenha me deixou mais animada para ler o livro. 🙂

    [Reply]

    Paloma Silva Reply:

    Que bom saber disso! Pois leia o livro, muito mais informações.. mais raiva e tristeza também kkk mas fazer o quê, né?

    Beijos!

    [Reply]

Troque figurinhas comigo! Comente sua opinião :)