Livro: Outros jeitos de usar a Boca – Rupi Kaur

Oiiiii! Beleza?

Editora Planeta, 2017

Eu gostaria muito que todos pudessem ler esse livro: homens, mulheres, pais, filhos. TODOS. Nessa coletânea de poemas temos declarações profundas de amor, de dor, de feridas, de paixão… E a arte é tão linda e avassaladora que ela consegue te atravessar e alguma coisa vai acontecer dentro de você, alguma ficha vai cair, alguma corrente vai quebrar.

A escritora Rupi Kaur tem 24 anos, é natural da Índia e imigrou para o Canadá aos 4 anos de idade. Geralmente esses dados não são tão interessantes, mas quando você lê o que essa mulher escreve e como ela descreve, amigos, é um fator importante.

Os poemas são divididos em 4 partes: A Dor, O Amor, A Ruptura e A Cura. É super rápido de ler porque os poemas não são grandes e você vai devorar página por página, tenho certeza.

Eu vou compartilhar com vocês alguns que eu mais gostei e se você quiser saber mais sobre o livro, só clicar AQUI para ser redirecionado à Amazon.

Sexo exige o consentimento dos dois

se uma pessoa está ali deitada sem

fazer nada

porque não está pronta

ou não está no clima

ou simplesmente não quer

e mesmo assim a outra está fazendo

sexo

com seu corpo isso não é amor

isso é estupro


Você me diz para ficar quieta

porque minhas opiniões

me deixam menos bonita

mas não fui feita com um

incêndio na barriga para

que pudessem me apagar

não fui feita com leveza na

língua para que fosse fácil

de engolir fui feita pesada

metade lâmina metade seda

difícil de esquecer e não tão

fácil de entender


Estou aprendendo a amá-lo

me amando


Não quero ter você para

preencher minhas partes

vazias quero ser plena

sozinha quero ser tão

completa que poderia

iluminar a cidade e só aí

quero ter você porque nós

dois juntos botamos fogo em tudo


Você coloca minha mão

entre minhas pernas e fala

faça esses dedinhos dançarem pra mim

  • performance solo

     

Como vocês perceberam, ela fala de abuso, de empoderamento feminino, de amor, de sexo… Particularmente, eu gostei demais!

Ps. Imaginem só: uma garota de família indiana, com pais conservadores, que escreve para o mundo sobre sexo, direito de escolha e igualdade de gênero na América do Norte?! é “pacabá” com qualquer vestígio de pré-conceito mesmo.

 

 

Comments

comments

Troque figurinhas comigo! Comente sua opinião :)